Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Etiquetas:

Este diário não é para velhos

350x.jpg

O Diário Secreto de Hendrik Groen aos 83 Anos e 1/4 conta a história de um idoso holandês e das suas aventuras (limitadas) num lar. À partida, tal história não interessaria a muito gente, sobretudo devido à distância de idades e até geográficas. Várias razões explicam o sucesso mundial do pequeno livro. Primeiro, o mistério. Não se sabe quem é o autor do livro, sendo o mesmo apenas assinado por Hendrik Groen que não se sabe quem é. Será ou terá sido um idoso que de facto conta a sua história? A segunda razão é a capa. O desenho expressivo de um velhinho de ar sereno e simpático enfeitiça qualquer um. Em terceiro, este não é o primeiro sucesso literário envolvendo a terceira idade do norte da Europa. Com muitas diferenças, este diário (que até poderia ser o de Adrian Mole chegado aos 83 anos), vem na sequência de títulos como A Improvável Viagem de Harold Fry, O centenário que fugiu pela janela e desapareceu ou Um Homem Chamado Ove. A quarta razão do sucesso é a principal. O diário de Hendrik é um texto comovente, sobre as pequenas alegrias da vida e tem muita piada. Hendrik, na fase final da sua vida decide começar a escrever um diário com o nascer do novo ano. Quer contar as suas histórias e começa a descobrir que a escrita o faz sentir bem. Desprezando o gosto de muitos dos residentes do lar pelo queixume, Hendrik quer aproveitar a vida e junta-se a um grupo de pessoas da mesma idade para corajosamente passar a fazer visitas divertidas em Amsterdão, voltando a tomar contacto com o mundo, pessoas, diversão e o amor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

16.04.18

Etiquetas:

Os Romanov

romanovs1915-cc3b3pia.jpg

Simon Sebag Montefiore, jornalista e historiador inglês propõe-se em Os Romanov (em Portugal feitos em dois volumes de cerca de 500 páginas cada, com a chancela Presença), a contar a história da Rússia entre 1613 e 1917, através da história da famosa família. Conforme vem escrito na contracapa do primeiro volume, esta é “uma narrativa épica do mais alto nível. Em comparação, A Guerra dos Tronos parece um conto para crianças”. O primeiro volume versa sobre a ascensão dos Romanov desde Miguel I. Simplificando o entendimento de uma história por vezes complexa, Montefiore, antes de contar a história de cada um dos czares faz uma lista das “personagens” que vão estar em destaque naquele capítulo. Montefiore consegue fazer, sem sair do seu papel de historiador, um relato emocionante que põe a nu as tricas palacianas, a guerra de influências e, claro, muita violência e sexo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

09.03.18

Etiquetas:

Aqui estou

jhhhhh.jpg

Jonathan Safran Foer tornou-se essencialmente conhecido por Extremamente Alto e Incrivelmente Perto, uma emocionante história, adaptada ao cinema com grande sucesso. No centro temos o judeu Jacob Bloch, descendente de sobreviventes do Holocausto, casado, pai e um escritor respeitado pela crítica mas ignorado pelos compradores. À medida que envelhece a sua relação com a mulher piora, Bloch começa a por em causa o seu lugar no mundo. Genial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

23.02.18

Etiquetas:

Um Gentleman em Moscovo

250x.jpg

Nunca julgar um livro pela capa sempre me pareceu estúpido. É claro que uma boa capa não é tudo (como uma má não o será). É claro que uma capa bonita atrai. É claro que um livro também é um objeto. E aí, este Um Gentleman em Moscovo sai a ganhar. Tem capa dura, preta e com pormenores a dourado. É um objeto bonito e com bom gosto. Mas o que está lá dentro é ainda melhor. Amor Towles leva-nos até à Rússia de 1922. O Conde Aleksandr Rostov vive numa gigantesca suíte de luxo no Hotel Metropol, o melhor de Moscovo. Mas um poema escrito por si, anos antes leva a que um tribunal bolchevique o condene a prisão domiciliária. Continua no hotel mas muda-se para aposentos bem mais modestos. É na sua nova posição de aperto que começa a conhecer melhor o hotel, que pensava conhecer ao pormenor e vai encontrando aliados, a começar pela pequena Nina, que sonha ser uma princesa e que precisa do apoio do Conde. À medida que assiste, com uma distância imposta ao eclodir de uma nova Rússia, vai tentando fazer do Metropol um microclima onde o luxo e sobretudo o belo ainda podem existir. Um livro melancólico mas muito bonito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

06.02.18

Etiquetas:

O Homem Que Duvidava

lpoo.jpg

Ethan Canin, um dos autores que merece o epiteto de bestseller do New York Times, conta-nos a história de Milo Andret. Milo, que cresceu solitário no countryside do Michigan dos anos 50, começa a ver-se de outra forma quando ingressa na famosa Berkeley. Começa a tornar-se óbvio o tamanho do seu génio e acaba por conhecer uma mulher e um rival que o acompanham no resto da sua vida. Tal como nós, leitores, acompanhamos as várias fases da vida de Milo. São sete décadas de uma vida rica e de um grande romance americano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

16.01.18

Etiquetas:

Os Despojos Do Dia

250x.jpg

O mercado livreiro tem um truque que repete com frequência. Faz novas capas de livros já editados há alguns anos, levando leitores mais aventureiros (que, como eu, se apaixonam por capas e títulos, sem fazerem grande investigação) a pensar que estão a comprar uma novidade. Apesar de irritante, este truque por vezes é-me benéfico. Foi o que aconteceu com Despojos do Dia, uma pequena maravilha em 250 páginas que se lê numa penada. Descobri que é já de 1989 e que até já deu um filme com Anthony Hopkins mas isso acabou por não diminuir em nada o prazer da leitura.

Conhecido da maioria do público português (eu, incluindo) apenas após a vitória do Nobel da Literatura, Kazuo Ishiguro é um escritor nascido no Japão mas que cresceu como inglês. Assim que peguei neste Os Despojos Do Dia senti isso mesmo. Há pouco de japonês nestas páginas. O tema que escolheu para este livro de 1989 (o seu terceiro) dificilmente poderia ser mais britânico. No pós-guerra, o mordomo Mr. Stevens, aproveita a oportunidade que lhe é dada pelo patrão e faz uma viagem de carro pelo campo inglês. Nela, para além de ver o país que existia para além das paredes da casa que servia e de conhecer pessoas para além das que orientava e servia, pode refletir sobre a sua vida e como ela tinha sido dedicada a uma profissão e a uma pessoa, Sua Senhoria, agora morta.

Após anos de dedicação a Lord Darlington, Stevens agora empregado de um americano rico, vê uma certa mudança na atitude do patrão. Mais descontraído, insiste que o mordomo leve o seu Ford e aproveite a sua ausência para passear por Inglaterra. Com a desculpa para si mesmo de que a mansão precisa de mais pessoal, Stevens parte em busca de Mr. Keaton, antiga governanta que há largos anos se despedira para casar, casamento que, segundo uma missiva, estaria a terminar.

E se a viagem dura poucos dias, a verdade é que Stevens põe a memória a funcionar e recua anos e anos. Reflete sobre os verdadeiros méritos do homem a quem dedicou a vida; reflete sobre o que é ser um bom mordomo; reflete sobre a sua relação com o pai, também ele um mordomo e sobretudo pensa em Mr. Keaton. Um vivo fabuloso da Inglaterra dos anos 30 a 50.

Autoria e outros dados (tags, etc)

11.01.18

Do Inferno

107bfa3864f8908556d8cf8e4b54b002.jpg

Alan Moore, conhecido tanto pela sua genialidade a contar histórias como pelo seu caracter “fechado”, é um nome maior da banda desenhada mundial. Da cabeça do inglês, saíram obras-primas como From Hell, V for Vendetta ou Watchmen. From Hell, premiada serie de histórias chega agora a Portugal, em versão traduzida, através de um volume de quase 600 páginas, responsabilidade da Devir. Publicada entre 1989 e 1996, é considerada uma das melhores Graphic Novels de sempre. Tem textos de Moore e ilustrações a preto e branco de Eddie Campbell. O livro, que até deu em filme em 2001, conta a história de Jack, O Estripador e o pormenor dos seus crimes e forma como foram encobertos, numa narrativa aterradora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

03.01.18

Etiquetas:

Ferrugem Americana

e47b2862085c42f79446b4cd8e527710.jpg

Galardoado e aclamado, este romance de Phillipp Meyer pretende-se como continuação da obra de Hemingway, um regresso à literatura americana embrenhada nas profundezas sociais, na América rural, na ferrugem de uma América falida, onde a esperança é pouco mais do que uma linha no horizonte. É uma obra cativante, que cumpre o que promete, quase até ao fim. Para quem, como eu, colocava fortes expetativas na obra, termina a última página com um amargo de boca. O romance acaba do nada, sem nos dizer para onde caminham as personagens, como ficam as suas vidas, como se se estivessem esquecido de imprimir o último capítulo. Por isso vale um pouco menos. 

3,5 ★

Autoria e outros dados (tags, etc)

22.11.17

Etiquetas:

Uma Coluna de Fogo

assinaturapresenca2.jpg

 

He did it again! Ken Follett não para de deleitar o mundo da literatura, sobretudo com os seus gigantescos romances históricos (tem também alguns policiais interessantes). Entre 2010 e 2014 fez sair três volumes – A Queda dos Gigantes, O Inverno do Mundo e No Limiar da Eternidade – que contava a história do Séc. XX desde o eclodir da I Guerra Mundial até ao cair do Muro de Berlim. Parecia ser a sua obra-prima e até um fim de carreia. Aos 68 anos, Follett não abranda o ritmo e regressa a Kingsbridge (cidade fictícia). Kingsbridge foi apresentada ao mundo em 1989, como palco d´Os Pilares da Terra. Estamos no Séc. XII, durante um período onde dois sucessores lutam pelo trono inglês. Mas Tom, um humilde pedreiro, persegue o sonho de ajudar a erguer uma Catedral Gótica. Em 2007, Follett regressa à mesma cidade para Um Mundo Sem Fim. Este ano, regressamos a Kingsbridge para “Uma Coluna de Fogo”. No centro está Ned, um jovem inglês que regressa a Kingsbridge depois de uma estadia em França. Quando a família perde a fortuna e Ned perde a amada para um rival mais rico e poderoso, Ned muda-se para Londres onde se vê ao serviço da poderosa Rainha Isabel e se torna aos poucos, um dos seus conselheiros mais importantes e um antepassado daquilo que se tornaram os espiões, ao serviço da Coroa. Mas, como sempre, nos livros de Ken Follett não falta um contexto histórico maior e um batalhão de personagens interessantes.


Assim vivemos num época de lutas religiosas entre católicos e protestantes, sendo que o reinado de Isabel parece ter o condão de trazer alguma paz. Também a disputa pelo trono inglês, que acaba por ser ganho por Isabel, está em destaque, sobretudo com a sombra de Maria, Rainha da Escócia. Conhecemos a mãe de Ned, Alice, esperta e determinada comerciante que perde tudo; Barney, o seu irmão mulherengo que se torna marinheiro e se apaixona perdidamente em São Domingo e claro, Margery, a sua amada, que nunca esquece e nunca o esquece.

Conhecemos também o ponto de vista de Maria, Rainha da Escócia, sempre em apuros. Primeiro casada com Francisco e Rainha de França e depois, prisioneira, ainda que sempre apoiada pela amiga e aia, Allison. Também no núcleo francês, temos a calculista família Guise, que tenta dominar a Coroa e ainda Pierre, um jovem charlatão que consegue subir a pulso, até se aproximar do novo Rei de França, o adolescente Henri. Sem esquecer Sylvie, jovem prospera de Paris, cujo pai vendia bíblias em francês e acaba condenado à fogueira. Existe ainda o sevilhano Carlos e o seu antigo escravo Ebrima que acabam em Antuérpia, no meio de mais uma batalha religiosa, ainda que só queiram ter uma vida pacífica.  Follett continua um mestre em tornar simples e humana, a história da Europa e “Uma Coluna de Fogo” é mais um grande sucesso nesse sentido. É um pageturner cativante que nos faz dar uma volta ao mundo, ao mesmo tempo de mergulhamos nos locais descritos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

20.11.17

Etiquetas:

Hostage

 

 

pyongyang-guy-delisle-juego-1.png

Guy Delisle é um dos meus autores favoritos da atualidade. Canadiano, nascido em 1966, é um dos mais proeminentes autores de graphic novels. A sua obra é muitas vezes autobiográfica e relata as suas viagens, um pouco por todo o mundo. Trabalhou em estúdios de animação na Ásia, como supervisor e relata essas experiências em Shenzhen, publicado em 2000 e no ainda mas fantástico Pyongyang, publicado em 2003, onde, de forma aparentemente simples, relata as limitações do regime coreano. A par de Dentro do Segredo, de José Luís Peixoto, é um dos relatos mais interessantes que li sobre a Coreia do Norte e o seu regime repressivo, apesar do esforço para não passar essa realidade para o exterior.

4f6ea330ee550bd7dfc1d3cd30d23805.jpg

Casado com uma administradora dos Médicos Sem Fronteiras, ele e os filhos, seguiram-na até vários países. Estas aventuras deram origem a livros como Burma Chronicles (2005) e Jerusalém (2009), nos quais relata o dia-a-dia naqueles países.

aHR0cDovL3d3dy5uZXdzYXJhbWEuY29tL2ltYWdlcy9pLzAwMC

Chega agora ao mercado português, Hostage (por cá, ainda só há em francês e inglês). Aqui, Guy conta a história do amigo Christophe André, raptado em 1997, por rebeldes chechenos, enquanto estava a trabalhar numa missão humanitária na Rússia, algures no Cáucaso Norte. Nos meses seguintes, a vida de André consiste em estar preso em locais esconsos e escuros, normalmente com uma mão algemada. E um livro que vive de imagem consegue ser muito bom, com grande parte das vinhetas a mostrarem o mesmo homem na mesma posição. Acompanhamos os diferentes estados de espírito de André, à medida que o tempo passa e todos os cenários que imagina – vou ser libertado hoje, vou fugir, não vou sair daqui nunca – enquanto não tem mais nada para fazer. Um relato emocionante e que nos prende até ao fim das cerca de 500 páginas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

08.11.17





Barbearias & Cabeleireiros

GENERALISTAS

FEMININOS

MASCULINOS





aRmário

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D